8 de mai de 2016

Esforçado, menino de 13 anos estuda língua chinesa sozinho em casa, em Botucatu


Matheus (13) com a irmã (9) e os pais Gustavo e Amanda. (Foto: Agência14News).
Matheus (13) com a irmã (9) e os pais Gustavo e Amanda. (Foto: Agência14News).

O estudante Matheus de Oliveira Colpas, de 13 anos, que estuda na rede municipal de ensino de Botucatu, sonha trabalhar na China e conhecer pessoas daquele País. O interesse começou depois que o pai do estudante viajou por dois meses à China por conta da produção estendida aviões brasileiros.


Devido a essa ligação profissional do pai, que é industriário, Matheus teve contato com a língua e com as pessoas que estiveram em Botucatu em um intercâmbio profissional entre os dois países.

Aliado a isso, o menino gosta da cultura chinesa principalmente filmes de kung fu, o que faz com que o interesse seja ainda maior.

“No começo, eu achava que fosse fogo de palha, mas faz dois anos que houve esse interesse e ele tem levado a sério”, disse Gustavo Colpas, que é pai do garoto.

Matheus diz que a língua é bem difícil, pois alguns detalhes como de sons, no chinês, mudam completamente o significado de uma palavra; e os caracteres chineses também são bem complicados. São os ideogramas que desafiam quem quer aprender a língua.

O pequeno Matheus, na hora de comentar de suas expectativas e sonhos, fala como gente grande. “Se eu aprender mais o mandarim queria ir para a China, fazer amigos, talvez até trabalhar lá. Ganhar minha vida lá talvez, mas vou ficar vindo para o Brasil. Se eu conseguir isso tudo não vou deixar o Brasil para trás”, comentou.

Tentativa de conversar com chineses da “Amando”

A mãe, Amanda Loren de Oliveira Colpas, que estuda enfermagem, apoia o filho: “Ele começou pela internet e imprimiu algumas palavras em chinês. Eu achei de início que seria uma bobeira e que iria passar logo. Aí ele começou a me pedir a

Matheus de Oliveira Colpas, de 13 anos.
Matheus de Oliveira Colpas, de 13 anos.

passar nas lojas de chineses que têm na rua Amando de Barros. Toda a loja ele queria que eu entrasse com ele para conversar com os chineses. A principio os donos das lojas não deram muita atenção. Ele saía meio desenxabido e triste”, conta.

Sabendo do interesse do aluno, Rodrigo Toffolli, professor de língua portuguesa, com ajuda de dois amigos linguistas conseguiu livros e os ofereceu ao garoto, que passou a estudar em casa a partir do material cedido. “Durante as férias de fim de ano, Matheus recebeu como presente dois cursos do idioma oriental em livros. Um deles, de mandarim-português e outro mandarim-inglês, cedidos gentilmente a ele pelos tradutores Thiago Humberto Nascimento e Susana Liang. Susana é professora de mandarim em São Paulo, capital e Thiago, tradutor, vive e trabalha no Canadá ficaram sabendo do interesse do menino pelo idioma por meu intermédio e resolveram ajudá-lo fornecendo os livros”, contou o professor.

Matheus busca agora uma ajuda mais próxima: um professor fluente em língua chinesa ensinando seria ideal para o menino desenvolver tanto a conversação, quanto a escrita. “Ele entra todos os dias na internet e baixa novos materiais e eu estou entusiasmada com ele”, diz a mãe. “O importante também seria aprender com o falar, pois hoje estuda por livros. Seria importante se ele tivesse uma ajuda e um incentivo de um professor que fosse da cidade ou região”, completa ela.


Veja mais.

http://agencia14news.com.br/colunas/educacao/esforcado-menino-de-13-anos-de-botucatu-estuda-lingua-chinesa-sozinho-em-casa/

Nenhum comentário:

Postar um comentário