26 de mai de 2015

A Virada Cultural Paulista e a ocupação da Cidade

Botucatu recebeu no último final de semana a edição 2015 da Virada Cultural Paulista. Foi oferecido um bom cardápio, com diversas atrações de diferentes segmentos, como peças de teatro, apresentações musicais de gêneros variados, bem como um compilado de expressões culturais e culinárias da região (e fora dela).
Do ponto de vista do acesso à cultura, ao entretenimento e ao lazer foi um sucesso por si. Mas existe um benefício ainda maior, que via de regra é deixado de lado nas avaliações sobre o evento: a ocupação dos espaços e equipamentos públicos da cidade e suas consequências no que tange a convivência social.
Recentemente, o colega de jornalismo e docência João Guilherme D’Arcadia  escreveu um excelente artigo para a Revista do Comércio de Jaú, no qual refletia sobre a necessidade de as crianças e adolescentes ocuparem as ruas e espaços públicos da cidade para brincarem e se divertirem. O jornalista fez referência ao fato de que as casas têm se tornado, sobretudo por razões de segurança e outras características da urbanização, um refúgio comum às crianças e adolescentes, minando a convivência coletiva.
O mesmo raciocínio apresenta-se na vida adulta.
Cada vez mais as pessoas têm feito a opção pelo enclausuramento residencial, afastando-se do outro ou do mesmo, do diferente ou do igual, do inusitado ou do clichê, do confrontador ou do consonante. Enfim, a era moderna da urbanização tem afastado o indivíduo da própria sociedade e de sua diversidade.
E nesse sentido, a Vira Cultural tem proporcionado uma experiência há muito esquecida – a ocupação dos espaços públicos, mesmo durante a noite, mesmo com tanta diferença.
É interessante perceber o quanto o oferecimento de Cultura pode gerar de benefício no que diz respeito à convivência social, em apenas 24 horas de atrações.
Ruas cheias de diferenças. Espaços sociais ocupados. Cultura acessível.


Enfim, talvez essa perspectiva tenha de se tornar muito mais que uma ação da Administração Pública Estadual, mas uma Política Pública do âmbito Municipal.
* André Luis Lourenço. - itacosdoandre.blogspot.com.br.


Nenhum comentário:

Postar um comentário