15 de jun de 2015

Montar lancheira saudável

Montar o lanche da escola não é tarefa fácil nem menos importante. Para a maioria dos pais, faltam ideias e opções. Na correria do dia a dia muitas vezes optamos pela praticidade dos alimentos industrializados, que não são os melhores do ponto de vista nutricional.




“O quadro de saúde pública, em relação às crianças, tem se agravado. Obesidade e sobrepeso tem aumentado muito. Nos últimos 20 anos a obesidade cresceu cinco vezes, principalmente entre as crianças e adolescentes. Trabalhar a alimentação saudável com esse foco é um compromisso assumido pelo Governador Geraldo Alckmin, assumido pela Secretaria de Agricultura”, diz o Secretário Arnaldo Jardim. 

Por que fazer uma série sobre a lancheira? “As pessoas costumam achar que o lanche não tem tanta importância. Mas as crianças que ficam na escola em período integral, por exemplo, levam dois lanches de casa: o da manhã e o da tarde. E, como qualquer refeição intermediária, esse lanche é importante na alimentação dessa criança”, explica Milene Raimundo, nutricionista e diretora do Centro de Segurança Nutricional e Alimentar Sustentável (Cesans). 

“As doenças crônicas aumentaram demais entre as crianças. Há muitos casos de hipertensão e diabetes na infância. O que queremos é mostrar para as mães, de forma interativa e explorando, para isso, o alcance das mídias sociais, que é possível montar uma lancheira saudável, mandar coisas menos prejudiciais, mesmo que sejam produtos industrializados”, conta Carlos Fernandes, da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro). 

“A lancheira deve ser composta por uma fruta, seja ela in natura ou em forma de suco natural, uma fonte de carboidrato, que pode ser pão, torrada, e uma fonte de proteína: um iogurte, atum, ou queijo branco”, explica a nutricionista Andreia Nakamura, do Centro de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Cesans), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. 

Em seu primeiro episódio, a série mostra a diferença gritante entre uma lancheira montada com produtos industrializados e outra com alimentos mais saudáveis. A primeira, com batata frita industrializada, néctar de frutas, chocolate e bolacha recheada contém 32 gramas de gordura, 40 gramas de açúcar e 320 mg de sódio. 

Na lancheira rival, feita com batata “chips” de micro-ondas, banana, “cookies” integrais e iogurte natural, os valores caem significativamente. Apenas 4 gramas de gordura, 4 de açúcar e 80 mg de sódio. “A primeira lancheira tem 8 vezes mais sódio. A diferença é muito grande, o que traz muita preocupação, já que é um tipo de alimentação adotado pela maioria das famílias, e traz problemas de saúde graves”, alerta Milene. 

Os sucos 
Os sucos naturais exigem mais de quem prepara, mas são sempre a melhor opção. As nutricionistas dão dicas importantes na escolha das frutas e preparo das bebidas. “Escolha frutas com menor velocidade de oxidação como manga, abacaxi, goiaba, maracujá e acerola”, sugere a nutricionista Andreia. Uma boa dica para banir o açúcar do suco é escolher frutas mais doces, ou misturar frutas azedas às mais doces, como maracujá e manga, por exemplo. 

A principal dúvida é com relação à conservação do suco. “O ideal é que seja preparado próximo do horário em que a criança vai para a escola. Se isso não for possível, uma dica é congelar a polpa da fruta in natura em forminhas de gelo. Na hora de preparar a lancheira, basta colocar os cubinhos de polpa congelada na garrafinha térmica e adicionar água. Isso vai garantir um suco fresquinho para o seu filho na hora do lanche”, ensina a nutricionista. 

Não conseguiu fazer a polpa em casa? A fruta estragou? Não deu tempo de comprar? Mesmo assim dá para buscar alternativas mais saudáveis do que os néctares industrializados com açúcar, refrigerantes e achocolatados. “Polpas industrializadas de frutas, chás, sucos industrializados sem açúcar e conservantes, água de coco e até mesmo água, por que não?”, completa Andreia. 

As frutas 
O consumo diário de frutas é importante para as crianças de todas as faixas etárias, por terem vitaminas, minerais e fibras, nutrientes presentes também no tomate cereja e na cenoura “baby”, que também podem fazer parte da lancheira dos nossos filhos. 

É importante oferecer os mais variados tipos de frutas. “Tente também mudar o corte, utilizando os cortadores de biscoitos, que podem dar às frutas os mais variados formatos, como coração, estrela, bichinhos. Pode parecer bobagem, mas isso pode fazer toda a diferença no incentivo ao consumo de frutas pelo seu filho”, conta Andreia. 

Outra dica dada pela nutricionista é para evitar que as frutas oxidem depois de cortadas, como é o caso da maçã, que escurece com facilidade. “Corte em gomos e na hora de montar a lancheira junte novamente os gomos, envolvendo a fruta em papel filme, assim dificulta o escurecimento da fruta. Dê preferência à faca de cerâmica, pois ela também diminui a velocidade de oxidação”, explica. 

Carboidratos e proteínas 
Itens que não podem faltar na lancheira, os carboidratos são responsáveis por fornecer energia para os pequenos, e as proteínas são essenciais para o fortalecimento de ossos e formação dos músculos. 
Dê preferência aos pães, biscoitos, torradas, bolos e tortas caseiras e integrais. Experimente trocar aquele bolinho industrializado, o pãozinho, cheios de açúcar e gordura, por um bolo caseiro de frutas, ou pão de cenoura caseiro. “Outra dica bacana e pouco utilizada é o milho cozido, a mandioca assada, e a batata chips de micro-ondas, feita em casa, sem nada de gordura”, conta Andreia. 

Dentre as fontes de proteína podemos utilizar iogurtes, queijos, além do atum e do frango, que podem fazer parte do recheio e pães e tortas. Uma dica é misturar ao iogurte natural as geleias sem açúcar. “Pode congelar essa mistura e mandar assim na lancheira. Quando chegar a hora do recreio o iogurte estará na temperatura ideal”, ensina. 

Industrializados: escolhas melhores 
É possível manter o olhar crítico e fazer boas escolhas no supermercado. O primeiro passo é aprender a ler corretamente o rótulo dos produtos. “Na lista de ingredientes, o primeiro item que aparece é aquele presente em maior quantidade. Por isso, evite aqueles que trazem, entre os primeiros ingredientes, açúcar ou gordura”, ensina Andreia. 

Evite também os que apresentam gordura vegetal entre os ingredientes, pois isso significa gordura trans. Outro item importantíssimo de checar é o teor de sódio. “Por exemplo, o atum enlatado, é melhor escolher o que conservado em água, porque possui menos sódio”, aconselha a nutricionista. 
Escolha sucos sem adição de açúcar e conservantes, geleias 100%, que não têm adição de açúcar, biscoitos com baixo teor de gordura, cookies integrais, frutas secas, castanhas. 

Assista a série completa e siga a página de alimentação saudável da Secretaria para acompanhar dicas, receitas e reportagens: 

facebook/alimentaçãosaudavelsp 
Episódio 1 https://www.youtube.com/watch?v=SUnNoFpyl1M 
Episódio 2 https://www.youtube.com/watch?v=lTZEGbVkWzI 
Episódio 3 https://www.youtube.com/watch?v=-FLASvThVWU 
Episódio 4 https://www.youtube.com/watch?v=t8K7Eiqj2nw 
Episódio 5 https://www.youtube.com/watch?v=j3YybVZOXeA 

Receita de batata chips de micro-ondas https://www.youtube.com/watch?annotation_id=annotation_3272504461&feature=iv&src_vid=t8K7Eiqj2nw&v=lGSLJ0Onrmo 

Por Marina Mantovani 
Assessoria de Comunicação 
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário