6 de nov de 2014

Não basta ser bom, também é preciso parecer bom

Por: Ricardo Karpat*

Você tem conhecimentos técnicos e teóricos, é um especialista na sua área, mas será que os seus clientes lhe enxergam assim?

Inverta a situação e analise: quando você vai ao médico ou quando solicita falar com o gerente do banco, você espera encontrar alguém que te passe credibilidade, correto? O que será que faz esta pessoa passar-lhe esta impressão? Normalmente, você responderia que o que lhe transmite credibilidade é o conhecimento deste profissional. Mas, no primeiro contato, é muito difícil esta pessoa conseguir expor uma parcela significativa do conhecimento que possui. Sendo assim, reconheça que existe dentro de você uma porção de pré conceito. Porém, não se assuste, muito menos se ofenda, isso é uma coisa natural e que nenhum de nós pode evitar, pois o nosso inconsciente já fez essa escolha.



Grande parte das informações que chegam ao nosso cérebro é processada imediatamente e sem controle pontual, através do nosso inconsciente, que usa de nossas experiências anteriores e conhecimentos para conceituar as mais diversas situações.  Graças a esse inconsciente são gerados os pré conceitos. Ao depararmos com uma cobra, por exemplo, imediatamente damos um pulo para trás, afastando-nos do perigo.

Alguns outros conceitos pré existentes em nosso inconsciente são padrões para a maioria da população, como por exemplo: um homem de terno possui um bom emprego; uma pessoa com aperto de mão firme transmite segurança; uma pessoa que tem um leve gaguejar na fala é insegura; ou uma pessoa com a roupa amassada é desleixada.

Sendo assim, essas dicas são importantes para transmitir aos outros que se é bom naquilo que se propõe a fazer. Esteja sempre bem vestido, com roupas adequadas, bem passadas e sapados engraxados. Os cabelos devem ser aparados e penteados. Homens com barba feita e mulheres sem exagerar na maquiagem.

Porém, fica o alerta: não generalize! Muitas vezes um homem de terno pode ser um ladrão, uma pessoa com aperto de mão firme pode ser um truculento inseguro, um gaguejar pode ser um problema de fala de uma pessoa confiante e a roupa amassada pode ser fruto de uma circunstância eventual.

Simpatia e cordialidade também são fundamentais. Cumprimente as pessoas com firmeza e fale sempre olhando nos olhos. Se expresse com clareza, falando sempre de forma pausada e sem utilização de gírias.    

Sua imagem deve ter sinergia com os seus conhecimentos, caso contrário você poderá perder boas oportunidades.

Ricardo Karpat é Diretor da Gábor RH, administrador de empresas especializado em recursos humanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário