5 de mai de 2015

Garoto cadeirante conhece lutador de MMA

“Ver a alegria estampada no rosto do meu filho é o que me mostra o quanto estou acertando nas funções diárias de ser mãe” – cita Juliana Murbach de Andrade, mãe do pequeno João Vitor, que acabou de completar oito anos e, que, graças a seus pais, conseguiu realizar o primeiro grande sonho de sua vida: Conhecer o lutador de MMA José Aldo, dono do cinturão do UFC na modalidade peso pena.

Prestes a completar oito anos, João Vitor contou para a família que ficaria muito feliz se ganhasse de presente um abraço do seu ídolo, o lutador do UFC, e seus pais não pouparam esforços para proporcionar essa alegria ao filho. “Daqui de Botucatu eu tentei falar através da página do Aldo em uma rede social, mas ninguém tinha me respondido, ai, falei pro meu marido para irmos até o Rio de Janeiro e de lá a gente tentaria chegar até a academia dele”, explica.

O marido, Sandro de Andrade, acreditou que seria um tanto quanto difícil, mas confiou e juntos foram numa excursão levar o pequeno para a missão quase que impossível. Desembarcaram na cidade maravilhosa na última quinta-feira (30).
Já na quinta-feira começaram as buscas, onde Juliana viu uma publicação na página do atleta, entrou em contato na academia onde o mesmo treina, contou toda a história, mas, o atendente desligou o telefone achando que fosse trote: “Nessa hora tive a certeza que o encontro não aconteceria, e o João ficaria frustrado, mas, como sou insistente, não falei nada para o João nem para o meu marido, e tentei contato através do treinador do Aldo – André Pederneiras”.

A mãe então entrou em contato e uma hora e meia depois recebeu o retorno. “O André Pederneiras me disse que seria possível o encontro no outro dia de manhã e que do hotel em que estávamos hospedados era menos de 10 minutos a pé até a academia”. Porém na sexta-feira, as idosas da excursão iriam conhecer o maior cartão postal da cidade: O Cristo Redentor, e, o menino queria ir junto com a excursão; não teve jeito, os pais precisaram contar pra ele que o encontro com o ídolo aconteceria naquele dia e, a reação foi de se esperar: muito choro.

O encontro aconteceu, José Aldo atendeu a família com muita solicitude e paciência, João e os pais ficaram muito emocionados e a frase no inicio do texto faz todo o sentido. Só que João Vitor não é uma criança igual todas as outras... Ele é uma criança especial!
Durante a gravidez, mais especificadamente ao sexto mês de gravidez, Juliana descobriu que seu bebê tinha uma má formação da coluna vertebral, em que a medula e as raízes nervosas ficam expostas, denominada mielomeningocele.

O tratamento para mielomeningocele exigiu uma cirurgia de emergência até 48 horas após o nascimento. Durante o procedimento, um neurocirurgião colocou a medula espinhal e tecido exposto dentro do corpo do bebê e os cobriu com músculo e pele.
O tratamento não termina com a cirurgia. Em bebês com mielomeningocele, o nervo já sofreu dano irreparável. Por essa razão, cuidados contínuos devem ser tomados, já que bebês com a doença podem desenvolver uma série de complicações que exigem, ainda, outros procedimentos cirúrgicos.
Segundo a terapeuta ocupacional e fisioterapeuta Sandra Volpi, que atende o João desde o primeiro mês de vida, a mãe fez o possível para cuidar do bebê desde que ele nasceu. “A Jú chegou pra mim, desesperada com o bebê no colo com um mês de idade e queria que eu começasse a fazer terapia naquele dia, e como eu atendo muitas crianças meus horários são bem malucos; a gente começou a trabalhar às sete horas da manhã.
Sandra se emocionou quando disse que todos os pacientes são especiais e que além de tratar fisicamente, ela também ajuda a conscientizá-los com valores de vida. “Eu me emociono muito ao falar deles, porque só faço isso da vida, não choro porque é triste, mas choro porque eu sei que pelo menos na minha vida, a minha parcela de ajudar o próximo eu faço bem feito, me preocupando sempre em não cobrar deles o que eles não podem me oferecer”, desabafa.
Atualmente João Vitor frequenta escola regularmente, pratica jiu jitsu (seu esporte preferido), faz tratamento de fisioterapia de última geração e é um filho medalha de ouro para seus pais.
Mariana Andrade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário