29 de mai de 2014

Atriz Eva Wilma apresenta peça em Botucatu



Com texto do peruano Eduardo Adrianzén, no palco, a atriz vem acompanhada dos atores Renato Borghi, Guilherme Weber, Luciana Borghi, Débora Veneziani e Felipe Guerra , com a direção de Renato Borghi e Elcio Nogueira Santos. Dias 06 e 07 de junho, no Teatro Municipal de Botucatu. 

A comédia “Azul Resplendor” será apresentada nos dias 06 e 07 de junho, sexta e sábado respectivamente, sempre com sessões às 20h30 no Teatro Municipal de Botucatu. Os ingressos já estão a venda na Bilheteria do Teatro ou pelo site: www.culturaeteatro.com. 

Escrita por Eduardo Adrianzén, um dos dramaturgos contemporâneos de maior destaque no mundo hispânico. O enredo é um retrato do ofício do ator, revelando os bastidores do teatro, em todos os tempos. O texto expõe com clareza e ironia os jogos de poder, os afetos, as ambições, as inspirações, as vaidades, as ilusões, as carências, as invenções, as manias e as frustrações dos atores quando se juntam para ensaiar uma peça. 

Portanto, não há homenagem mais perfeita para uma atriz, do quilate de Eva Wilma, que a montagem de uma peça que celebra, com inteligência, o próprio fazer teatral. Os 80 anos de vida e 60 de carreira da atriz são comemorados no palco, ao lado dos atores Guilherme Weber, Luciana Borghi, Débora Veneziani, Felipe Guerra e Renato Borghi, que é idealizador da montagem no Brasil e também a dirige em parceria com Elcio Nogueira Santos. Esta peça apresenta uma rara combinação entre humor ácido e delicadeza, indagações sobre os papéis que desempenhamos na vida junto a outras tantas reflexões, inclusive sobre este fazer teatral. 

A montagem

Renato Borghi e Elcio Nogueira Seixas conheceram o autor Eduardo Adrianzén enquanto realizavam o projeto Embaixada do Teatro Brasileiro (2008/2009) em países Ibero-americanos para promover o teatro brasileiro e incentivar o intercâmbio entre as dramaturgias produzidas em espanhol e português. O texto original de “Azul Resplendor”, apresentado por Adrianzén a eles, causou o mesmo arrebatamento na atriz Eva Wilma. Estava decidido que seria montado no Brasil. 

A estreia ocorreu em 18 de julho de 2013,  marcando os 60 anos de carreira e 80 de vida da atriz Eva Wilma. A montagem marcar, ainda, o encontro de Renato Borghi e Elcio Nogueira Seixas, que dividem a direção pela primeira vez, nos mais de 20 anos de parceria no teatro. 

O enredo

Apesar de situada na atualidade, para desvelar os bastidores dos palcos, em “Azul Resplendor”, o dramaturgo se valeu de uma galeria de personagens bem conhecidos no mundo do teatro: a célebre atriz dramática aposentada precocemente, o eterno coadjuvante recalcado, o diretor arrogante e prepotente, a assistente de direção sem identidade e os atores jovens em busca de fama e poder a qualquer preço.

Na peça, Eva Wilma interpreta Blanca Estela. Uma grande dama do teatro afastada de seu ofício há mais de 30 anos. Inesperadamente, ela recebe a visita de seu mais devotado fã – Tito Tápia (Renato Borghi), um ator sem nenhuma expressão que passou a maior parte de sua vida cuidando da mãe doente e fazendo “pontas” no teatro e na televisão. 

De posse da herança e com uma peça de sua autoria escrita em memória da mãe falecida, Tito decide procurar Blanca Estela para confessar seu antigo amor e lhe fazer uma proposta para que ela retorne aos palcos como protagonista de sua obra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário